Reforma do Ensino Médio não mudará Próximas Edições do ENEM





Mudanças no ENEM só acontecerão a partir de 2019.

Para todos os estudantes que cursam o ensino médio e pretendem fazer o Exame Nacional do Ensino Médio ( ENEM), temos uma ótima notícia para acalmar os ânimos. O Ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou que a reforma do ensino médio de todo o país não vai provocar nenhuma mudança significativa de conteúdo nas duas próximas edições do Enem. A informação foi dada ontem pelo ministro, na entrevista coletiva em Brasília, logo após a cerimônia que sancionou a nova lei.

Mendonça Filho reforça que é inevitável que o Enem não tenha mudanças e será necessária a adequação da realidade do novo ensino no Brasil. Ainda segundo o Ministro, algumas mudanças mais substanciais tanto no formato, quanto em todo o conteúdo, serão feitas a partir de 2019 e até lá, todos os estudantes podem ficar tranquilos.




De acordo com o Ministério da Educação e Cultura (MEC), as escolas brasileiras terão o prazo de dois anos para se adaptarem as novas regras e mudanças feitas no ensino médio no Brasil. O MEC ainda reforça que todas as alterações na mudança do maior exame da rede educacional do Brasil, depende de muitas outras coisas, inclusive do resultado de uma consulta pública, que é bastante complexa e demorada.

A Assessoria de Imprensa do MEC informou, em dezembro passado, que a publicação de todo o conteúdo do edital do Enem 2017 deveria ser publicada em fevereiro. Estima-se que a divulgação do edital seja adiada por motivo da prorrogação do prazo da consulta pública até o dia de hoje, 17. A Medida Provisória (MP) 746 do dia 22 de setembro de 2016 teve aprovação pela Câmara dos Deputados no final de dezembro e teve aprovação no Senado, no dia 8 desse mês. Em suma, a reforma do ensino médio vai aumentar a carga horária escolar de todas as escolas brasileiras, além da implantação de instituições de ensino em período integral, que dividirá o ensino médio em Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e mais cinco áreas exclusivas, que vão permitir que as escolas contratem professores que não possuem diploma em licenciatura para poderem lecionar conteúdo técnico e profissionalizante, além de diversas outras mudanças, como inclusão e exclusão de algumas disciplinas na grade escolar dos alunos.


Rodrigo Souza de Jesus



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *